Quem foi Beatriz Wahrlich

//Quem foi Beatriz Wahrlich
Quem foi Beatriz Wahrlich 2017-09-12T13:07:30+00:00

Beatriz Wahrlich (1915-1994)

Administradora, daspiana por excelência, exemplo de funcionária comprometida com a modernização do setor público, mestre e doutora pela University of Southern California – USA.

Foi diretora da Escola Brasileira de Administração Pública (EBAP) da Fundação Getúlio Vargas – RJ no período de 1962/70.

Durante sua gestão introduziu na FGV um processo democrático de escolha da diretoria da EBAP. Manteve um relacionamento bastante participativo e, por isso, o convívio era bom e, principalmente, havia liberdade de cátedra, liberdade de conteúdo. Era pessoa ligada à evolução do pensamento da administração, estava sempre atualizada com a bibliografia e, dentro dessa linha, investiu muito na pesquisa e publicação de livros no Brasil, sendo autora de livros extraordinários e úteis até hoje. Estimulava todos os professores a fazer o doutorado e, na sua gestão, foram firmados os mais importantes convênios de assistência técnica entre a EBAP e as principais universidades americanas, possibilitando, com isso, que um significativo contingente de professores fizessem seus mestrados e doutorados naquele país.

Graças a ela, havia grande preocupação em se formar profissionais generalistas, o que era muito discutido entre os alunados, numa antevisão do perfil que hoje, na sociedade do conhecimento, é demandado. Introduziu no Centro de Graduação que existia na FGV o sistema de créditos, antes mesmo de sua adição oficial no Brasil. Tinha plena consciência que era uma escola de apoio por traz dos alunos. Aprimorou muito a idéia de dar atenção didático-pedagógica aos professores, com as restrições da época, mas perseverava a noção de que os professores tinham que ser bons, tinham que ensinar a ler a bibliografia – “aliás a Fundação me apresentou a Biblioteca; no colégio eu mal sabia o que era isso.” (Adm. Paulo Roberto Motta, ex-diretor da EBAP).

Depois que deixou de ser Diretora, Beatriz continuou atuando na EBAP; esteve um tempo ligada a convênios interinstitucionais com o exterior, no Ministério do Planejamento, mas quando retornou à Escola, teve uma reinserção muito fácil. Era muito querida pelos alunos e dava aulas de reforma administrativa, recursos humanos na visão da administração pública.

Mulher de cabeça aberta, pluralista, disciplinada na forma de dirigir, disciplinada nas relações profissionais dentro da Escola, disciplinada nos valores, nas atitudes, mas não impediu a ebulição, não impediu que a EBAP usufruísse de sua liberdade acadêmica.

X